Abigai

Março 28 2013

  

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por Abigai às 09:19

Março 20 2013

 

 

Cá estou eu de volta... e para descansar e agradecer todos que ficaram de certa forma preocupados com o estado de espírito patente no último post, saliento: "bem" de volta e pronta para enfrentar mais adversidades...

Não vou negar que estava ligeiramente em baixo, contudo, não deixei de referir que sou uma optimista nata! E como tal, regresso com muitas mudanças...

Como já era de prever pela referência que fiz anteriormente aos recentes problemas laborais, estou com salários em atraso desde Janeiro e a aguardar a conclusão do processo de despedimento colectivo em curso na empresa onde exerço e no qual fui englobada. Estou há cerca de 5 semanas em casa, uma vez que o local onde prestava serviço já fechou portas. Obviamente estou preocupada com os vencimentos em atraso e com o facto de ainda não estar oficialmente desempregada, pois só então irei passar a receber o subsídio de desemprego.

Contudo - e mais uma vez, lá vem o meu optimismo -, não estou há 5 semanas de férias. Decidi aproveitar a sugestão do nosso sábio primeiro ministro e, sendo o desemprego uma oportunidade, decidi dar uma volta à minha vida. Não que já não tivesse pensado nisso - até porque, tendo em conta a minha patologia, é de prever que um dia tenha que deixar de trabalhar -, mas planeava tomar esta iniciativa dentro de uns anitos e não agora.

O meu trabalho consiste em projectar móveis e decoração em foto-realismo tridimensional. Há uns anos, fiquei com uma licença do software que utilizo, como forma de pagamento de outros salários em atraso, numa outra empresa... até parece que a precariedade me persegue! Trata-se de um software caríssimo, que não faz milagres mas que não anda longe disso. Desde então, tenho utilizado essa licença para elaborar alguns projectos por minha conta, poucos pela falta de tempo que sobra a quem trabalha a tempo inteiro, mas tem sido um complemento mensal simpático.

Uma vez que estava em casa, resolvi procurar mais cliente. Pensei muito, planeei criar uma página na internet, enviar e-mails a empresa para apresentar e oferecer os meus serviços, até iniciei um projecto completo de raiz a partir de um loft totalmente idealizado, projectado, mobilado e decorado... Mas não passaram de planos! Não tive nem tempo nem oportunidade!

Quero crer que este incansável optimismo consegue captar e atrair suficiente energia positiva para que tudo possa acontecer... Sem procurá-los - até porque ainda estou numa fase de transição -, os clientes surgiram, encontraram-me e de um momento para o outro, fiquei sem tempo!

Sei que ser freelancer é incerto, tenho consciência que não terei o mesmo vencimento que tinha, ainda tenho também muito que planear e organizar - ser trabalhador independente também fica caro! -, contudo, de uma coisa eu não tenho qualquer dúvida: posso até ter que apertar o cinto e ter que adquirir novos hábitos de consumo, mas maior qualidade de vida tenho a certeza que não irei encontrar. Trabalhar em casa, ao ritmo que mais me convier, ter mais tempo para a casa e para o G., para preparar as refeições e acompanhar os estudos, é realmente fabuloso...

 

 

 

publicado por Abigai às 02:45

Fevereiro 07 2013

 

Há cerca de um ano deixei de escrever por estar a lamentar-me constantemente e sentir-me depressiva e um fardo para quem ainda me lia.
Há alguns meses atrás tentei um regresso tímido mas naquela altura decidido. Sentia saudades da escrita lida e comentada, do desabafo. Não passaram de boas intenções, o regresso foi de tal maneira tímido que nem chegou verdadeiramente a acontecer.
Na verdade, haveria muito para dizer, para contar, para desabafar e também para opinar. Houvesse ânimo e menos desalento, houvesse vontade e garra, houvesse alegria e força para continuar... e não faltariam post's para publicar!
Não fosse o caso de ser uma optimista nata - pode não parecer, mas garanto que sou! -, estaria provavelmente neste momento com uma camisa de forças internada algures num qualquer hospital psiquiátrico...
Ando desanimada, muito desanimada.
Desanimada com o trabalho e com o intenso aroma a desemprego e precariedade. O trabalho que adoro e que me tem segurado firme ajudando a manter a minha sanidade mental. O trabalho que me dava alento para enfrentar todas as adversidades está agora a escapar-me por entre os dedos e sinto-me perdida. O trabalho, a única coisa em que me sentia competente. Estou aos poucos a perder a minha referência, o meu porto seguro.
Desanimada com as dificuldades financeiras que daí advêm e que aumentam as minhas preocupações. Contas astronómicas em medicamentos - ainda ontem foram 96 euros -, em consultas e terapias para o G., e o esforço para manter um nível de vida razoável, aceitável. Um esforço incessante e constante. Uma preocupação que consegue sem que me aperceba totalmente, ocupar grande parte do meu dia.
Desanimada acima de tudo com estas dores que não me dão descanso, com o declínio que ultimamente me assola. Nunca imaginei sentir-me tão "velha" aos 40 anos. Este último mês tem sido desgastante, dores de manhã à noite, noites agoniantes, um sufoco assustador apesar da medicação que há tempos classifiquei de milagrosa.
Todos os gestos e movimentos são um súplica, uma tortura. Pensar que esta tornou-se na minha vida é insuportável, pensar que a cada dia que passa me sinto mais limitada nas minhas tarefas diárias, é insuportável.
É uma autêntica bola de neve...
As complicações laborais e as dificuldades financeiras levaram a alguns cortes e porque existem despesas que não podemos evitar, e porque temos prioridades e o G. e o seu bem-estar são uma delas, entre outros, um dos corte foi nas ajudas domésticas, o que levou-me a ter que executar mais tarefas, mais esforço que por sua vez, levou a um declínio físico mais acentuado. Um declínio que não imaginava ser possível em tão curto espaço de tempo.
E como o dinheiro faz falta e não podemos desistir de tudo, comecei a aceitar mais projectos que faço à noite em casa, prolongando assim mais ainda o tempo laboral, as longas horas de trabalho, sabotando assim também o tempo de descanso e a qualidade de vida em família.
E por muito que tente abstrair-me do meu lamentável estado, as dores estão cá para me relembrar...
O cansaço é extremo e não falo apenas de cansaço físico nem das horas que fico a dever à cama, falo de um cansaço psicológico extremo, de uma falta de ânimo que parece perseguir-me em todos os movimentos do dia-a-dia, em todas as resoluções que tomo à noite planeando o dia seguintes mas que raramente consigo alcançar.
Vale o G. e o tempo que ele preenche, em que me obriga a focalizar-me nele, nas suas necessidades e dificuldades, no seu empenho que acorda em mim uma pitada de orgulho no caminho que seguimos e nas decisões e acompanhamentos acertados que tomamos.

E mais não digo...

publicado por Abigai às 12:52

Outubro 23 2012

Na quarta-feira passada, levamos o G. à consulta de pediatria de desenvolvimento no Hospital S. João.

Confesso que, apesar da espera e da confusão de um hospital geral, saio sempre destas consultas com um sorriso nos lábios, muito mais confiante e segura das minhas decisões, e convicta de caminhar no bom sentido rumo a uma boa e acertada educação.

O G. encolhe-se todo a ouvir os sermões da pediatra, sempre pronto a responder como aliás faz em casa, mas capaz de segurar a língua!

A médica transmite confiança, segurança e muita sabedoria. Sem nunca melindrar aconselha e apoia. Nós sentimo-lo. O G. sente-o. E isso faz um bem à alma tremendo!

Entregou-nos um relatório para entregar na escola - mais um! -, e alertou-nos para esta nova fase que agora começa: a pré-adolescência. Sabemos que é uma fase difícil, e que o pior irá chegar dentro de uns 2 ou 3 anos (o G. ainda é muito imaturo para a idade cronológica, daí o espaço que ainda temos para nos prepararmos...). Já não tem sido muito fácil, mas por enquanto ainda o seguramos!

E como todos os anos por esta altura, aproveitamos para preencher o requerimento do complemento de abono por deficiência. Pois é! Deficiência!

O G. não é deficiente, apenas tem PHDA. Conheço crianças deficientes, uma em particular, irmão do meu afilhado, deficiente profundo. A mãe recebe o mesmo complemento que recebo pelo G. O mesmo!

Haverá comparação possível?

Não vou recusar os míseros € 59,00 que recebo, é pouco mas dá muito jeito! Não chega para a medicação e as consultas de psicologia, é verdade, mas ajuda. O que não compreendo é porque o valor é fixo, igual para todos, variando apenas consoante a idade. Isso, não consigo compreender. Não vou questionar o que eu recebo, é pouco mas estamos a falar de PHDA e não paralisia cerebral. O que está errado a meu ver, não será o que recebo mas o que outros, com deficiências diferentes, mais profundas, recebem. Não devia este complemento ser pago em função da deficiência, em função das necessidade pedagógica ou terapêuticas? Ou serei eu que estou a delirar?

Além disso, pergunto: se a segurança social considera a PHDA como deficiência permanente, porque o ministério da educação não a vê como tal? Porque será necessário lutar em todos os inícios de anos lectivos para ter apoios? Será que os ministérios não se entendem entre eles? Ou terão sequer algum tipo de comunicação entre eles? A pediatra de desenvolvimento entregou-me um relatório (saliente que não pedi nada!) extremamente completo desta vez, que enquadra o G. no âmbito da Lei 3/2008 e ainda sugere apoio na leitura dos enunciados, etc...

Confesso que me questiono ainda se devo entregar este relatório... Já sei que me vou meter mais uma vez em trabalhos...

Chegar à escola com um relatório do Hospital, supostamente de médicos habilitados e que sabem avaliar a hiperactividade, as necessidades de uma crianças hiperactivas, as suas limitações, incapacidades, dificuldades, mas também as suas capacidades de aprendizagem e/ou cognitivas, os seus pontos fortes, etc..., relatório esse que fala precisamente de incapacidades cognitivas que necessitam de uma abordagem diferenciada, entregá-lo à escola é como um murro no estômago... geralmente professores e/ou psicólogos educacionais levam isso como se de uma exigência se tratasse, como se apontássemos o dedo para eles e lhes disséssemos que não estão a fazer o trabalho que era suposto fazerem. Sentem-se ultrapassados e questionados quando na realidade, este relatório, passado por quem tem acompanhado a evolução, as conquistas e as batalhas perdidas, não é mais do que um alerta para uma problemática que pode ser ultrapassada, desde que todos se juntem e trabalhem no mesmo sentido.

Talvez tenha alguma sorte este ano, os professores parecem-me para já, muito mais abertos e empenhados. Sei que a psicólogo educacional da escola já está ao serviço, mas por enquanto ainda não viu o G. Por enquanto vou aguardar. Sei que tem muitas crianças para acompanhar e que não faz milagres, a escola tem crianças que precisam de mais apoio do que o G., não ponho isso em causa, mas o G. também precisa...

 

 

publicado por Abigai às 15:12

Outubro 15 2012

Como prometido, lentamente mas seguramente, retomo este espaço que, como já várias vezes referi, revelou ser um elemento importante da minha vida, permitiu-me abrir horizontes e descobrir caminhos que achava perdidos, encontrar pessoas que vivem as mesmas experiência, trocar impressões e perceber que nem tudo se resume a uma boa educação quando se trata de lidar com PHDA.

Nesta vivência conheci pessoas fantásticas, mães dedicadas e preocupadas, filhos que poderiam ser cópias do meu G., de meios, localidade e idades diferentes mas que convivem diariamente com as mesmas dúvidas, as mesmas dificuldades, as mesmas frustrações e travam as mesmas batalhas.

 

Na passada sexta-feira, depois de escrever o primeiro post após uma ausências de quase sete meses, recebi um e-mail da Patrícia, que, não tendo notícias nossas desde que deixara este espaço, escreveu-me para saber de nós, do G., dos resultados do ano transacto e do arranque deste novo ano lectivo.

Achei uma coincidência incrível. Escrevi o post pela manhã mas programei a sua publicação para as 13H15. A Patrícia enviou-me o e-mail às 12h58, ainda não podia ter visto as notícias que publiquei!

Ao meu comentário  "Curiosamente, hoje mesmo decidir voltar a escrever...", a Patrícia respondeu-me:  "Não há coincidências... o que só prova que há algo que nos liga uns aos outros..."

 

Coincidência ou ligação?

É de facto incrível e fantástico o que podemos encontrar aqui!

Não conheço pessoalmente a Patrícia, mas haverá amizades mais genuínas do que estas que fazemos aqui, virtualmente, com ligações tão fortes que unem pessoas com as mesmas vivências, as mesmas experiências?

Aqui não precisamos de floriar as nossas vidas, torná-las perfeitas, somos verdadeiros, relatamos as nossas dificuldades, as batalhas que travamos contra a adversidade, falamos dos nossos fracassos como educadores, sem medos, sem recear as críticas, os julgamentos a que estamos todos os dias sujeitos, nas escola, no supermercado, na rua, por pessoas ignorantes que desconhecem a PHDA, que depressa apontam o dedo...

 

Coincidência ou ligação?

Os dados estão lançados...

 

 

publicado por Abigai às 12:23

Outubro 12 2012

Há quase sete meses que deixei de parte este blog que, ao longo dos últimos três anos muito me ajudou e abriu novos horizontes.

Nestes últimos sete meses pouco ou nada mudou.

O tempo não curou um estado de alma depressivo, apenas atenuou os queixumes.

Lentamente vou tentar regressar, timidamente, sem grandes ambissões. Sinto falta da escrita lida, dos comentários de apoio.

Muito se passou desde o último post sério, sem lamentações.

 

Curiosamente e contra todas as minhas expectativas, o G. passou para o 7º ano. Apesar dos maus resultados nos exames nacionais, transitou apenas com negativa a matemática. Após alguma luta para fazer valer os seu direitos na escola e conseguir algum apoio individualizado além do apoio educativo, o G. teve uma avaliação diferenciada a Português, com testes adaptados à suas dificuldades, o que permitiu ir tirando algumas notas positivas. Feitas as contas e considerando os 25% que os exames nacionais pesavam na avaliação final, conseguiu transitar.

Inicialmente, fiquei com dúvidas: transitar era concerteza positivo para a sua auto-estima, contudo, repetir o ano poderia ser também uma mais-valia para reforçar conhecimentos.

Hoje, e embora ainda só tenha iniciado este novo ano escolar há um mês, sinto que foi uma aposta acertada.

Em primeiro lugar, o G. sente-se mais confiante e optimista por agora ser um dos "grandes" da escola. Está no 7º ano e feliz.

Em segundo lugar, tem finalmente um horário acertado, de acordo com as suas características, um horário da manhã, no qual todas as disciplinas importante decorrem nas primeiras horas do dia, quando está mais desperto, mais atento, em pleno efeito da medicação.

Como em todas as transições de ciclo, a minha maior preocupação foi informar a directora de turma das suas dificuldades, da sua PHDA. Como já suspeitava, apesar de estar tudo no seu processo individual, a informação ainda não tinha chegado no início do ano lectivo.

Mas algo que sinceramente não esperava aconteceu. Logo na primeira aula de apresentação de Português, a professora, que não é directora de turma, fornecer aos alunos o seu endereço de e-mail, solicitando aos pais que enviasse um de forma a ficar com os contactos dos pais.

Fiquei agradavelmente surpresa, pois tanta disponibilidade por parte dos professores não é coisa comum. Aproveitei para informar a professora que o G. tem PHDA e dificuldades específicas além das características disléxicas. Por sua vez, a professora informou a directora de turma, professora de matemática, que, logo na primeira reunião com os encarregados de educação, quis falar comigo em privado. Foi tudo tão interessado, tão preocupado, que fiquei deveras surpreendida. Não foi preciso reuniões nem queixas, senti um interesse por parte dos professores a que pouco habituada estava; na 2º semana, o G. já estava com aulas de apoio e o contacto via e-mail com a directora de turma tem sido muito frequente.

O reforço positivo está presente desde o início, o G. sente-se compreendido, e demonstra um interesse muito maior pelo estudo.

Tudo leva a crer que este ano irá ser menos stressante do que os anteriores, menos angustiante, mais aberto e mais suave, apesar da matéria ser mais difícil.

A ver vamos.

 

Para além da evolução do G. nestes últimos sete meses, o meu estado de espírito pouco mudou. O olhar da minha mãe nos dois dias que passamos nas urgências antes duma cirurgia que acabou por ser apenas o adiamento de um triste desfecho, ficou gravado na minha retina, um olhar de agonia, um pedido de paz. Uma súplica que eu não deferi, uma cirurgia que eu teimei em autorizar, no momento, talvez por covardia, talvez agarrada à esperança, e que agora me consome diariamente. Horas de espera, à porta do bloco operatório, no dia em que fazia 18 anos que o meu pai tinha falecido, talvez pela repetição da data, pela recusa em perder um pilar importantíssimo da minha vida... Horas de espera que continuam a remoer.

A perda é extremamente difícil de superar, é verdade, se ao menos conseguisse apagar as últimas imagem e recordar apenas a vida...

Mas algo de positivo saiu desta experiência traumática, se é que é possível falar de algo positivo numa perda desta natureza.

Há 50 anos atrás, o meus pais já se preocupavam com o envelhecimento da população de que tanto se fala hoje em dia e resolveram contribuir com 7 filhos, que por sua vez contribuíram com mais 12. Sete filhos divididos por 2 paises e 7 cidades diferentes e afastadas umas das outras. Sete filhos que há anos não se juntavam em torno de uma mesma mesa, juntos.

Da perda resultou uma resolução: pelo menos uma vez por ano comprometemo-nos em juntarmo-nos todos um fim-de-semana. Comprometemo-nos em adiar os nossos afazeres, arranjar forma e tempo para viajar, por Portugal ou França alternadamente, pôr de parte todas as desculpas que facilmente damos a nós próprios para justificar meses a fio sem notícias uns dos outros, e juntarmo-nos, em torno de uma mesa, em honra, memória e agradecimento pela vida que temos, pela educação e oportunidades que nos foram dadas pelas duas pessoas que nos trouxeram ao mundo e que tanto se sacrificaram por nós, sem nenhum queixume, sem nenhuma desculpa.

O primeiro encontro aconteceu no passado mês de Agosto, um encontro em que só faltaram 4 sobrinhos e 1 cunhada, por impedimentos diversos, mas conseguiu juntar 21 pessoas em torno de uma mesa gigantesca, com muita alegria e choro pelo meio, com muitas garrafas e boa comida. Um fim-de-semana memorável que finalmente permitiu tirar uma fotografia com 7 irmãos que há anos não estavam juntos ao mesmo tempo. Muita emoção e memórias, e a promessa de repetir no próximo ano!

 

 

 

 

publicado por Abigai às 13:15

Março 15 2012

Iniciei este blog em Outubro de 2009, um pouco sem rumo, sem saber muito bem para quê nem porquê...
A verdade é que acabou por se tornar um refúgio, uma forma de deitar cá para fora os meus tormentos, as minha dúvida...
Ajudou-me em muitas ocasiões. Falei das dificuldades do G., das minhas mágoas e dificuldades com esta doença que instalou-se para ficar e teima em atormentar-me, e até escrevi sobre coisas perfeitamente banais e talvez sem qualquer interesse.
Escrevi, vivi e deixei a pena deslizar suavemente pelo papel virtual.
Não fui sempre assídua, mas sempre recorri aqui a este cantinho. Escrever o que me ia na alma, ler os comentários que sempre foram de um grande reconforto.
Agora estou perdida, não consigo escrever, apenas lamentar-me.
Não é este o rumo que pretendo para o blog, nem para quem aqui me lê, me apoia e ajuda.
Estou numa fase da minha vida em que, além do trabalho, não encontro ânimo, vontade de continuar, nem objectivos.
Sinto-me perdida, abandonada, desleixada.
Não consigo escrever nada além de lamentar-me e isto não me agrada de forma alguma.
Não quero ser aborrecida para ninguém e sinto que chegou a altura de parar, de primeiro sarar, encontrar o meu lugar, reencontrar-me.
Achava-me mais forte, mais capaz. Nunca pensei que fosse tão difícil...
Sinto-me assoberbada, completamente abandonada, por tudo, por todos. Acredito que não seja assim, mas a razão nem sempre tem mais força e neste momento, a auto comisseração ganhou terreno e sinto-me incapaz de reagir.
Preciso de mais tempo, de assentar.
Ainda não sei como ganhar esta batalha mas prometo empenhar-me para vencer esta luta.
A única certeza que tenho é que não quero, não posso continuar assim, lamentar-me constantemente, expor este pensamentos depressivos, aborrecidos...
Por isso, esta não é uma despedida definitiva, é apenas um interregno, um au revoir por tempo indeterminado...
Voltarei.
Encontrarei um rumo.
Encontrarei o meu lugar.
E voltarei.
Está prometido!
Até breve...


 

publicado por Abigai às 13:00

Março 05 2012

Sentada, mergulho nos meus pensamentos, por vezes obscuros, por vezes pacíficos, calmos, outras vezes de dúvida e solidão.

Sentada no escuro, sinto uma presença que acarinha, acalenta este desassossego constante, perturbante.

Esta sensação de abandono, de acusação, de culpa.

É então que me levanto. Ergo-me para melhor ver e sentir, para enxergar a realidade e finalmente perceber que nada mais será igual, que não haverá mais conselhos, mais apoio, que terei que viver por mim, decidir por mim e aprender a lidar com o julgamento alheio.

Percebo por fim que o caminho seguro não é mais aquele que conhecia e seguia, que terei que desvendar novos roteiros para chegar ao destino, que o destino é incerto, acidentado e sinuoso.

Mas é nessa direcção que tenho que seguir.

Apenas falta perceber como.

 

publicado por Abigai às 23:02

Março 03 2012

Há um mês, neste dia, o meu mundo desabou...

Há um mês, neste dia, o inevitável deixou um fosso implacável...

Há um mês, neste dia, tudo mudou...

 

Hoje, estilhaçada pela dor, tento juntar os cacos.

O caminho é longo e sinuoso,

A caminhada parece não ter fim.

 

A cada instante, a cada canto, a cada olhar, surge mais uma lembrança.

Lembrança.

O que haverá de melhor, senão a lembrança?

Recordar os bons momentos, os maus também...

Recordar para não esquecer...

Recordar para manter a chama viva,

Manter a vida.

Recordar.

 

Por vezes um poço de mistério,

Por vezes sem paciência,

Por vezes, um silêncio impenetrável...

Mas sempre amiga, sincera, generosa e sensível.

 

Emanava de ti uma esperança avassaladora

Que me deixava completamente prostrada...

Sofredora, calavas o que te ia na alma,

E eu, embrenhada nos meus problemas mesquinhos,

Nos meus dilemas egoístas,

Jamais imaginava ou lembrava a tua dor.

Foste uma lutadora, uma grande mulher.

 

És uma grande mulher.

És.

Porque continuas aqui, bem perto...

 

 

publicado por Abigai às 14:35

Fevereiro 27 2012

 

Abandonado a uma sorte esquecida,

Ignorado,

Só no meio de uma multidão desenfreada,

Intensa,

Pequeno perante a imensidão de um mar revoltado,

Numa viagem sem volta,

Desprovido de qualquer talento diante de uma plateia repleta,

Numa manhã vazia,

Perdido,

Insignificante,

Minúsculo,

Distante,

Um vazio cortante...

Um poço sem fundo...

 

publicado por Abigai às 14:45

Porque foi a primeira palavra do meu filho, e de nada querer dizer, diz-me muito...
mais sobre mim
Março 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
21
22
23

24
25
26
27
29
30

31


Posts mais comentados
Visitas
pesquisar
 
Facebook
Portal dos Sites
subscrever feeds
blogs SAPO