Abigai

Setembro 07 2010

Apesar do regresso às aulas ser apenas na próxima Segunda-feira, Quinta-feira terá lugar a apresentação na nova escola, novo ano e nova aventura escolar do G.

O G. parece preparado para esta nova etapa, está menos ansioso do que eu, muito bem disposto e acima de tudo muito falador e empenhado.

Este fim-de-semana dedicou-se a fazer cópias de um livro do filme Star Wars que devora logo ao pequeno almoço, diz ele que "é para treinar escrever... para estar pronto para a escola"! Mas claro, é sol de pouca dura e passado 5 minutos já nem sabemos onde anda!

 

Passou as férias sem medicação, está com as pilhas a 100, bem recarregadas e pronto para enfrentar tudo o que lhe aparecer pela frente.

Agora e desde que foi ao cinema com o pai ver o Panda Kung Fu, só pensa nisso e quer mesmo que encontre uma escola de Kung Fu, e "se não encontrares pode ser mesmo de karaté, mãe...".

Este - longo para nós, mas não para ele - periodo sem medicação passou-se bem... dependendo do ponto de vista, é claro.

Não posso dizer que fez asneiras, não. De facto, asneiras é coisa que pouco faz. Só não sabe parar! Levanta-se de madrugada, canta, grita, nunca obedece à primeira, anda sempre atrás de alguém ou alguma coisa, vai para um lado, vai para outro, chama, canta e volta a cantar, fala alto e nos momentos mais inconvenientes, não deixa falar, interrompe a torto e a direito, come... isso sim, come muito, está sempre esfomeado e mais do que tudo: fala, fala muito, e nem a dormir se cala.

Em suma, não se portou mal, simplesmente ficamos todos cansados implorando algum silêncio, alguma calmaria.

Lamentavelmente, não faltaram discussões, gritos e alguns castigos, quando se fala muito e não se ouve, quando não se obedece nem à terceira, quando não se sabe parar, é sempre complicado e, por mais que compreenda que não tem culpa, é minha obrigação incutir regras e bons comportamentos.

Além disso, houve algumas brigas, "grandes dramas" e sentimentos de rejeição com os primos franceses que passaram connosco as férias, mas nada que não se resolvesse. Acima de tudo dificuldades de comunicação devido ao entrave da língua, mas na verdade - e isso ainda não entendi muito bem como -, apesar de falarem linguagens diferentes, lá se foram entendendo e na hora da partida e pela primeira vez, vi o G. a chorar de saudades dos primos.

Mas agora, as férias terminaram.

 

Na tentativa de repor as regras e os hábitos dos dias de aulas, resolvi levá-lo já esta semana para o ATL, retomando assim a medicação.

Logo pela manhã, e como sempre falador, o tema principal era a medicação, deixando antever o regresso aos dramas matinais.

Primeiro o pequeno almoço que demorou uma eternidade - uma forma de atrasar a toma da medicação -, depois as conversas intermináveis - e eu sempre a ver quando é que se decidia a tomar a cápsula -, sempre com mais e mais a dizer, a fazer.... e o tempo a passar, até que não tive outra alternativa senão intervir com firmeza e autoridade para que tomasse o medicamento.

Assim fez e sem grande dificuldade. O problema é mesmo psicológico, tem sempre medo de não conseguir engolir e fica tão ansioso que até tem vómitos só de olhar para a cápsula!

Feito isto, saímos em direcção ao ATL e foi então que pelo caminho, vem a insegurança, o medo de falhar e de não ser aceite.

"Ao mãe... já não vou ao ATL há muito tempo, tenho vergonha...?"

"Ao mãe... e se os meus colegas já não gostarem de mim....?"

"Ao mãe... e se eu não conseguir passar de ano....?"

"Ao mãe..."

"Ao mãe..."

"Ao mãe..."

E por aí fora o caminho todo...

 

Lá fui respondendo do melhor que soube, tentando sempre reforçar a sua auto-estima, lembrando que o ano escolar ainda nem tinha começado, que os colegas da turma eram os mesmos, que todos gostavam muito dele, que a psicóloga educacional que o acompanha desde o ano passado vai estar lá, que desde que se esforçasse como sempre fez tudo iria correr bem, etc...

Ficou mais calmo e animado mas já sei que se avizinham tempos difíceis de muita insegurança e ansiedade.

Mas cada coisa a seu tempo...

Ainda nem começou...!

 

 

 

publicado por Abigai às 22:00

Como eu te entendo.

Já decidimos, para o ano o N. toma a medicação nas férias.... é que assim chegamos ao fim a precisar mais de férias que no inicio.

Jorge
Jorge Soares a 7 de Setembro de 2010 às 23:27

Olá Jorge, eu ainda não sei muito bem, tenho dificuldade em decidir medicá-lo nas férias, dá-me sempre a sensação de o estar a privar de ser quem é... mas realmente, chegamos ao fim muito mais cansados, para não dizer à beira de um esgotamento!
Anabela
Abigai a 9 de Setembro de 2010 às 21:43

Eu acho que uma solução passa por reduzir a dose de medicamentação.. Nesse estado, continuam a ter muita energia...mas o auto-controlo melhora um pouco.

O problema ...é que o periodo de férias é suposto ser o o periodo em que a familia está finalmenet toda junta...a reforçar laços e a desfrustar-se a si mesma como um todo. E nos dias maus...estas crianças conseguem ser esgostantes. E quando se tem mais filhos...o descontrolo acaba por afectar tudo em catadupla.


Patricia
Patricia a 13 de Setembro de 2010 às 23:05

Olá Patrícia,

Sinceramente nem sei o que é melhor. Pessoalmente, custa-me medicar o G. quando não tem aulas, supostamente, a medicação serve para o ajudar a estar mais concentrado, mais atento de forma a conseguir estar numa sala de aulas e aprender. Em casa, acho que merece ser ele próprio, mas de facto, às vezes torna-se difícil, mesmo insustentável.
Além disso, se não tomar a medicação antes das 8h da manhã, fica sem apetite para almoçar e aos fins-de-semana ou férias, apesar dele continuar a levantar-se extremamente cedo, eu tento ficar um pouco mais na cama e muito raramente consigo dar-lhe a medicação até essa hora.
Só tenho o meu G., nem consigo imaginar o que é ter mais filhos, um só já me dá tanto que fazer...
Beijinhos,
Anabela

PS: vi o teu e-mail e ainda vou responder... está prometido!
Abigai a 16 de Setembro de 2010 às 09:10

Espero que o ATL esteja a correr bem. Estes inícios são complicados para todos, mas suponho que para crianças hiperactivas ainda mais... Como eu admiro os pais de hiperactivos!
beijos e mil sorrisos
:o)))
mil sorrisos a 8 de Setembro de 2010 às 11:50

Olá,
Não sei se existem realmente motivos de admiração, pelo menos no que me toca a mim, não sou perfeita, tenho os meus momentos... o desgaste às vezes é muito e a paciência falta quando é mais precisa, mas enfim, fazemos o que podemos quando quaisquer pais queremos o melhor para o nosso filho.
Para já o ALT está a correr bem, conhece toda a gente há 3 anos, tem os coleguinhas e sente-se em casa, o que me preocupa mais é o 5º ano numa escola nova com mais professores e muitos mais miudos, alguns bem mais velhos.
A ver vamos...
Beijinhos,
Anabela
Abigai a 9 de Setembro de 2010 às 21:58

Desejo um bom começo e e seguimento. Ele é feliz é o que mais importa.
Gostei do post...
Abraço
C. a 9 de Setembro de 2010 às 14:21

Olá, obrigada!
É feliz sim e para mim é realmente o mais importante.
Beijinhos,
Anabela
Abigai a 9 de Setembro de 2010 às 21:59

Porque foi a primeira palavra do meu filho, e de nada querer dizer, diz-me muito...
mais sobre mim
Setembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
17
18

19
20
22
23
24
25

26
27
28
29
30


Posts mais comentados
Visitas
pesquisar
 
Facebook
Portal dos Sites
blogs SAPO