Abigai

Outubro 23 2012

Na quarta-feira passada, levamos o G. à consulta de pediatria de desenvolvimento no Hospital S. João.

Confesso que, apesar da espera e da confusão de um hospital geral, saio sempre destas consultas com um sorriso nos lábios, muito mais confiante e segura das minhas decisões, e convicta de caminhar no bom sentido rumo a uma boa e acertada educação.

O G. encolhe-se todo a ouvir os sermões da pediatra, sempre pronto a responder como aliás faz em casa, mas capaz de segurar a língua!

A médica transmite confiança, segurança e muita sabedoria. Sem nunca melindrar aconselha e apoia. Nós sentimo-lo. O G. sente-o. E isso faz um bem à alma tremendo!

Entregou-nos um relatório para entregar na escola - mais um! -, e alertou-nos para esta nova fase que agora começa: a pré-adolescência. Sabemos que é uma fase difícil, e que o pior irá chegar dentro de uns 2 ou 3 anos (o G. ainda é muito imaturo para a idade cronológica, daí o espaço que ainda temos para nos prepararmos...). Já não tem sido muito fácil, mas por enquanto ainda o seguramos!

E como todos os anos por esta altura, aproveitamos para preencher o requerimento do complemento de abono por deficiência. Pois é! Deficiência!

O G. não é deficiente, apenas tem PHDA. Conheço crianças deficientes, uma em particular, irmão do meu afilhado, deficiente profundo. A mãe recebe o mesmo complemento que recebo pelo G. O mesmo!

Haverá comparação possível?

Não vou recusar os míseros € 59,00 que recebo, é pouco mas dá muito jeito! Não chega para a medicação e as consultas de psicologia, é verdade, mas ajuda. O que não compreendo é porque o valor é fixo, igual para todos, variando apenas consoante a idade. Isso, não consigo compreender. Não vou questionar o que eu recebo, é pouco mas estamos a falar de PHDA e não paralisia cerebral. O que está errado a meu ver, não será o que recebo mas o que outros, com deficiências diferentes, mais profundas, recebem. Não devia este complemento ser pago em função da deficiência, em função das necessidade pedagógica ou terapêuticas? Ou serei eu que estou a delirar?

Além disso, pergunto: se a segurança social considera a PHDA como deficiência permanente, porque o ministério da educação não a vê como tal? Porque será necessário lutar em todos os inícios de anos lectivos para ter apoios? Será que os ministérios não se entendem entre eles? Ou terão sequer algum tipo de comunicação entre eles? A pediatra de desenvolvimento entregou-me um relatório (saliente que não pedi nada!) extremamente completo desta vez, que enquadra o G. no âmbito da Lei 3/2008 e ainda sugere apoio na leitura dos enunciados, etc...

Confesso que me questiono ainda se devo entregar este relatório... Já sei que me vou meter mais uma vez em trabalhos...

Chegar à escola com um relatório do Hospital, supostamente de médicos habilitados e que sabem avaliar a hiperactividade, as necessidades de uma crianças hiperactivas, as suas limitações, incapacidades, dificuldades, mas também as suas capacidades de aprendizagem e/ou cognitivas, os seus pontos fortes, etc..., relatório esse que fala precisamente de incapacidades cognitivas que necessitam de uma abordagem diferenciada, entregá-lo à escola é como um murro no estômago... geralmente professores e/ou psicólogos educacionais levam isso como se de uma exigência se tratasse, como se apontássemos o dedo para eles e lhes disséssemos que não estão a fazer o trabalho que era suposto fazerem. Sentem-se ultrapassados e questionados quando na realidade, este relatório, passado por quem tem acompanhado a evolução, as conquistas e as batalhas perdidas, não é mais do que um alerta para uma problemática que pode ser ultrapassada, desde que todos se juntem e trabalhem no mesmo sentido.

Talvez tenha alguma sorte este ano, os professores parecem-me para já, muito mais abertos e empenhados. Sei que a psicólogo educacional da escola já está ao serviço, mas por enquanto ainda não viu o G. Por enquanto vou aguardar. Sei que tem muitas crianças para acompanhar e que não faz milagres, a escola tem crianças que precisam de mais apoio do que o G., não ponho isso em causa, mas o G. também precisa...

 

 

publicado por Abigai às 15:12

Dezembro 10 2011

Prometi aqui falar da resposta da professora de apoio de Língua Portuguesa, é verdade...
Confesso que não gostei nem um pouco, mas como gosto sempre de um bom desafio, esta foi o incentivo que talvez me faltava para deixar bem claro à directora de turma que, além de bem informada sobre a legislação e os direitos do G., não estava minimamente disposta a "deixar andar"...
Reuni com a directora de turma há quase 15 dias depois de estudar o Projecto Educativo e Curricular do Agrupamento, o Regulamento Interno e o Despacho Normativo nº50/2005 pelo qual o G. supostamente estava abrangido. Solicitei o acesso ao processo individual do G., algo que deixou a directora de turma algo perplexa - na verdade, não sei bem porquê, pois é um directo que me assiste! -, e questionei-a sobre o que estava a ser feito relativamente às conclusões da avaliação feita em 2009 ao G. e que o colocava ao abrigo do despacho normativo nº50/2005.
Não irei entrar em grandes pormenores porque este assunto ainda não está concluído e está neste momento a decorrer nova avaliação por parte do Serviço de Psicologia e Orientação do agrupamento, mas a conclusão que tirei deste encontro foi desconcertante. Apesar de todas as conversas e reuniões tidas com a Directora de Turma, parece-me claro que nunca analisou convenientemente o processo do G., a expressão dela ao ver comigo os pareceres, os relatórios da SPO, das professoras de apoio ainda no 1º ciclo, as avaliações externas da dislexia, etc., não deixou margem para dúvidas. No entanto, mostrou-se interessada em ajudar, já requereu nova avaliação e no dia seguinte o G. iniciou apoio individualizados a Língua Portuguesa e a Matemática, algo que o G. classifica de muito melhor e interessante. Vou dar o benefício da dúvida mais uma vez e esperar o fim desta nova avaliação para tirar nova conclusão...

 

E agora, aproxima-se o Natal... O G. tem que estar sempre ocupado, não quero que passe os fins de semana a jogar PlayStation embora não o proíba, não quero que esteja sempre a estudar pois tem que ter tempo também para ser criança, mas também não posso deixar de arranjar estratégias diferentes para aprender brincando. Assim, aos domingos, como quem não quer nada, vejo desenhos animados com ele, histórias curtas da minha infância, do Marco ou da Heidi, e depois o G. faz-me o resumo. Compreendo melhor agora porque tem tantas dificuldades. Coisas simples e que gosta como desenhos animados, são difíceis de entender para ele. Além de não compreender totalmente a história tem uma dificuldade enorme em expressar o que entendeu e colocá-lo no papel... O G. tem algo de muito bom: é dedicado e empenhado. Por enquanto. Já foi mais! Começa a ter vontade de desistir e por isso, decidi não estudar com ele pelos livros ao fim de semana, temos que desenvolver a compreensão e a expressão escrita, mas não com livros, por isso se tiverem mais alguma sugestão, agradeço....
E como não convém que o G. perceba que estes jogos são estudo, não podemos ficar só por aí e decidimos em conjunto, fazermos nós próprios as decorações do nosso pinheiro de Natal.
Pois é! Fizemos fitas, bolas, um Pai Natal, estrelas e muitas outras decorações. Quando digo fizemos, é obvio que o G. também fez, mas querer que um hiperactivo se dedique a trabalhos manuais por mais de 10 minutos é utópico, não? Claro que o grosso do trabalho foi meu, mas o resultado final não foi mau, o que acham?

publicado por Abigai às 12:42

Novembro 23 2011

Definitivamente, este ano está a ser muito difícil....

Canso-me de tanto tentar fazer valer os direitos do G. e ele, por seu lado, arranja sempre forma de complicar ainda mais a situação!

Tenho perfeita consciência que o G. tem PHDA, sei que é uma perturbação que se caracteriza por défice de atenção / concentração, impulsividade e/ou hiperactividade / actividade motora excessiva. Sei que uma criança com PHDA pode ter dificuldades entre outros em:

- manter a atenção até ao final de uma tarefa,

- prestar atenção a dois estímulos em simultâneo,

- reflectir antes de agir,

- prever as consequências das suas acções,

- seguir normas estabelecidas,

e que além disso crianças com PHDA apresentam ainda outras características como:

- fazem barulhos ou sons desadequados,

- são imprevisíveis, distraídos,

- podem ser facilmente exploradas pelos outros,

- etc.

Sei disso tudo e muito mais, já são anos de treino, experiência, pesquisas e trocas de impressões com outras famílias na mesma situação.

Mas saber não invalida o facto de ter obrigações nomeadamente na educação do G., quer em casa quer na escola.

Em casa temos muitas regras. As regras são sempre importantes em qualquer educação, muito mais ainda na educação de uma criança hiperactiva. Uma destas regras tem a ver com os jogos de computador ou consolas. Tirando os períodos de férias em que a liberdade é um pouco maior, em dias de semana o G. não pode jogar. Sextas à noite num período de tempo de cerca de uma hora, sábados e domingos, pode embora também com horários definidos e tempos máximos. O G. tem televisão no quarto que comprou com o dinheiro que vai recebendo das avós e afins, dinheiro que foi juntando para também aprender a dar valor ao custo da vida, mas ter televisão no quarto também não invalida que hajam regras e horários para ligá-la. Por norma, de manhã depois de pronto para sair, pode ver um pouco de televisão.

Segunda-feira passada, quando o fui buscar ao ATL, antes mesmo de me cumprimentar, o G. contou-me que se portou muito mal, que teve um castigo, mas que a professora nem escreveu nada na caderneta. Foi na aula de Língua Portuguesa - a professora não é a mesma que dá apoio educativo a Português! O G. lembrou-se de desfazer a borracha em pequenos pedaços e atirar aos colegas. Quando a professora se apercebeu, já toda a turma estava a atirar com bocados de borracha. Foi bastante divertido! Resultado: a borracha desapareceu - a mãe que compre outra, pois não tem mais o que fazer ao dinheiro! -, e o G. teve que escrever 40 vezes: "não devo atirar com borrachas na sala de aulas", na sala da directora de turma! Não tenho nada a opor, o G. fez asneiras e sofreu as consequências.

Confesso que fiquei furiosa com ele e garanti-lhe ainda no carro a caminho de casa que não haveria de deixá-lo esquecer o que fez. Uma coisa é estar desatento, distrair-se, não estar quieto, reagir aos estímulos exteriores ou falar alto sem mais nem porquê, isso até consigo compreender que não tenha ainda capacidade para controlar, outra coisa é iniciar e incentivar tal barafunda na sala de aulas, arruinando também a minha carteira, pois... porque borrachas e lápis é à dúzia por semana!

Assim fui pensando pelo caminha como haveria de castigá-lo em casa e fazer com que não esquecesse que tinha que saber comportar-se. Proibí-lo de jogar não teria efeitos imediatos pois ainda faltavam 5 dias para o fim-de-semana, bater-lhe também não era solução e havia ainda o problema da memória curta... amanhã já não se iria recordar do porquê do castigo.

Foi então que se fez luz na minha cabeça. Quando cheguei a casa, liguei logo o computador e preparei duas folhas: a primeira dizia assim "segunda-feira dia 21 portei-me mal na aula de Português atirando com borrachas aos colegas. Por isso fui castigado. Até ao final da semana estou proibido de jogar playstation, jogar computador, jogar wii. Tenho que aprender a comportar-me e que os meus actos têm consequências.",

a segundo dizia quase o mesmo à excepção do castigo que era "(...) ver televisão de manhã."

Não disse nada ao G. e fui afixar cada uma das folhas nos seus respectivos lugares, ou seja, no monitor do computador e na televisão. O G. nem questionou, ficou completamente atónico e quando olhei para ele, apenas vi uns olhos cheios de água e uma lágrima a correr pela face...

Partiu-me o coração vê-lo assim de tão notória que era a tristeza e o sofrimento...

Nunca nenhum castigo surtiu tanto efeito. Nunca nenhum castigo me custou tanto.

Assim, e até Domingo, as folhas vão continuar afixadas e o G. não vai esquecer o que fez nem o motivo do castigo e de não poder jogar. Todos os dias de manhã, vejo-o a olhar para as folhas, com um olhar triste e conformado.

No dia seguinte, falei com o psicólogo para avaliar se a estratégia era adequada ao que aconteceu ou não. Concordou e reforçou o facto de que é mesmo fundamental estabelecer limites e que o G. entenda porque é castigado.

Parece-me que está a resultar, pelo menos, além da resposta da professora de apoio ao recado que deixei, não tem vindo mais nada na caderneta. E dessa resposta que já levou a um pedido de esclarecimentos à DREN, falarei num próximo post que este já vai longo!

 

publicado por Abigai às 14:17

Novembro 16 2011

 

 

Revolta. É revolta que sinto hoje.
De há uns dias para cá, têm vindo muitos recados na caderneta do G., queixas relativas à sua falta de atenção nas aulas, - algo que me parece realmente estranho vindo de uma criança com PHDA! -, e também sobre a falta de conhecimentos.
Estranho!
Eu que pensava que o G. era um menino exemplar, repleto de sabedoria e sem qualquer tipo de dificuldades!
À professora de Matemática resolvi responder. Queixou-se que o G. não sabe a tabuada, não sabe fazer contas e não presta atenção.
Pois bem, pelos vistos é sabido mas alguns professores não sabem:

 

"É difícil separar os problemas de atenção dos problemas de memória. Se não somos capazes de estar atentos a uma informação, dificilmente conseguimos apreendê-la, integrá-la e armazená-la. Normalmente estas crianças têm uma boa memória a longo prazo mas a sua memória a curto prazo e a memória de trabalho deixam muito a desejar. Recordam-se do que aconteceu há um ano, mas têm muita dificuldade em reproduzir o que se lhes acabou de explicar."
(...)
"Memória de trabalho. Refere-se à capacidade de reter vários tipos de informação ao mesmo tempo. Se não somos capazes de representar mentalmente vários números, não podemos fazer cálculos mentais. Se queremos compreender o que lemos, temos que ser capazes de recordar as palavras do princípio de um parágrafo quando chegamos ao fim."
(...)
"Matemática. (...) Muitas crianças têm também uma discalculia - custa-lhes entender o tamanho relativo das figuras, aprender as tabuadas, recordar sequências de dígitos, entender o significado dos sinais e compreender conceitos matemáticos avançados."

 

Logo no dia seguinte, recebo mais um recado, desta vez da professora de apoio de Lingua Portuguesa que dizia mais ou menos assim: "o G. não presta atenção à aula, distrai-se e fala. Vou dar mais uma oportunidade, a continuar assim deixa de frequentar o apoio. Compreendo o problema de concentração, mas há limites."
Esta foi a gota!
Há limites sim! Há limites para a falta de informação dos professores - para não dizer ignorância -, há limites para a incapacidade das escolas em cumprir com as suas funções e obrigações de integrar todas as crianças, em proporcionar recursos pedagógicos para crianças com dificuldades específicas de aprendizagem. Há limites para tanta incompetência, ou não é esta uma escola inclusiva?
É este o futuro que queremos para as nossas crianças? Ensiná-las a marginalizar, a excluir aqueles que não se enquadram na norma?
O que devo dizer? Como resolver os problemas de atenção do G.?
Já sei! Vou começar a bater-lhe, talvez passe a comportar-se melhor, ou porque não, amarrá-lo à cadeira? Não... talvez fechá-lo numa sala sozinho durante o tempo lectivo para não incomodar ninguém?
Vou ter que sugerir estas soluções à escola, talvez resolva o problema....

 

O G. está medicado com metilfenidato. O G. tem terapia psicológica semanalmente, - e só eu sei o quanto me custa pagar as consultas! O G. vai regularmente às consultas de desenvolvimento no Hospital S. João. O G. foi sinalizado à escola. Entreguei na escola todos os relatórios médicos do hospital, do diagnóstico de dislexia, do psicólogo, etc.. O G. está num centro de estudos para reforçar conhecimentos.
Acho que estou a cumprir com a minha parte de educadora.
E o que faz a escola?
Não contrata a psicóloga educacional que o acompanhava desde que foi sinalizado, nem outra qualquer. Não proporciona qualquer tipo de avaliação diferenciada. Não reforça positivamente qualquer esforço demonstrado. Não! A escola reprimenda. A escola ameaça excluí-lo do apoio!

 

“O princípio fundamental das escolas inclusivas consiste em todos os alunos aprenderem juntos, sempre que possível, independentemente das dificuldades e das diferenças que apresentem. Estas escolas devem reconhecer e satisfazer as necessidades diversas dos seus alunos, adaptando-se aos vários estilos e ritmos de aprendizagem, de modo a garantir um bom nível de educação para todos, através de currículos adequados, de uma boa organização escolar, de estratégias pedagógicas, de utilização de recursos e de uma cooperação com as várias comunidades. É preciso, portanto, um conjunto de apoios e serviços para satisfazer as necessidades especiais dentro da escola.”
“…as escolas devem acolher todas as crianças, independentemente das suas condições físicas, intelectuais, sociais, emocionais, linguísticas ou outras. Devem incluir as crianças deficientes ou sobredotadas, as crianças de rua, e as que trabalham, as de populações nómadas ou remontas; as de minorias étnicas e linguísticas e as que pertencem a áreas ou grupos desfavorecidos ou marginalizados.”

UNESCO (1994) Declaração de Salamanca e Enquadramento da Acção na Área das Necessidades Educativas Especiais, Lisboa: Instituto de Inovação Educacional

publicado por Abigai às 11:28

Outubro 31 2011

Curiosamente, hoje, ainda estava a acabar de ler este post e tocou o telefone.

Era a directora de turma do G. a contactar-me no seguimento da conversa que tivemos na passada terça-feira.

Falou com o G. relativamente aos elementos que lhe transmiti, os medos, as inseguranças e a falta de atenção e empenho nas aulas, e ligou-me para dar-me o feedback da conversa.

Desde que o G. ingressou na escola, tem tido aparentemente e a julgar pelas notícias que têm sido divulgadas imensa sorte com os professores.

No 1º ano teve uma professora que além de ser professora era também psicóloga e tinha trabalhado nos último 10 anos com alunos do ensino especial. Foi um pouco graças a ela que o G. foi diagnosticado, pois, apesar de sentir e no fundo saber que algo estava errado com o G., resistia e recusava a ideia de poder ser hiperactivo. A compreensão desta professora, também mãe de um miúdo com Asperger, ajudou-me a ultrapassar esta fase e partir para o diagnóstico.

No 2º ano o G., já diagnosticado e medicado, mudou de escola e, inicialmente, tive alguma dificuldade com a professora que não acreditava que o G. fosse hiperactivo, talvez pelo facto de estar controlado, mas, com o tempo foi percebendo e entendendo as dificuldades que tinha. Aos poucos verificou as limitações e lacunas que tinha, pediu ajuda ao agrupamento, arranjou-lhe uma professora de apoio individualizado 3 vezes por semana para ajudar o G. a aprender a ler - só conseguiu aprender a ler quase no final do 2º ano -, e sinalizou-o no agrupamento encaminhando-o para a psicólogo educacional que já no 3º ano começou a ter consultas com ele semanalmente.

Mais tarde ingressou no 5º ano, na sede de agrupamento, que supostamente tinha o processo dele e deveria estar a par das dificuldades e do diagnóstico. Por falta de organização ou incompetência dos órgãos administrativos, a directora de turma não tinha conhecimento que o G. estava sinalizado com dificuldades de aprendizagem e hiperactividade, nem tão pouco sabia que nesses último 2 anos usufruía do apoio da psicóloga do agrupamento. Os primeiros tempos foram difíceis mas depois de tudo esclarecido, deparei-me com uma professora dedicada, interessada e preocupada.

Antes mesmo do ínicio do 6º ano, ainda no período de férias, quando soube que a psicóloga ainda não tinha sido contratada por faltas de verbas e que não havia indicações de vir a sê-lo, a directora de turma entrou em contacto comigo para me explicar o que estava a acontecer e para alertar-me com tempo caso tivesse possibilidades de arranjar fora um psicólogo para o G.

Hoje ligou-me para dar-me o feedback da conversa que teve o G. e aproveitei para falar-lhe de um problema que surgiu na passada 6ª feira na aula de EVT em que o G. foi castigado sem perceber - ou não quer dizer -, porquê.

Sei que vai averiguar o que se passou e que me irá informar.

Felizmente, posso dizer que não será por falta de empenho ou interesse dos professores que o G. irá ter mais ou menos dificuldades, pelo menos no que diz respeito à directora de turma, o que é bom.

Sei que o caminho é muito acidentado e vai levar tempo a chegar à meta, mas sei também que alguns obstáculo foram eliminados logo à partido.

Supostamente, a Educação é mesma para todos. A julgar pelas notícias, parece-me que não será bem assim...

 

publicado por Abigai às 15:23

Outubro 26 2011

Depois de ler a notícia no blog da Teresa e ainda o post do Jorge, não posso deixar de me sentir revoltada e preocupada. Revoltado sobretudo comigo mesma porque ler uma notícias destas devia deixar-me triste... mas apenas me fez pensar no meu G. e em todas as perturbações e aflições que sinto nele.
Sei que sou uma mãe atenta.
Não tenho a menor dúvida a este respeito, e foi por estar atenta aos sinais que procurei ajuda de um psicólogo.
Emocionalmente o G. é muito frágil - característica comum a maior parte dos hiperactivos -, preocupa-se em demasia com tudo e não fala. Não se abre nem connosco, nem com colegas ou amigos, não exterioriza as suas preocupações, as suas cismas, os seus muitos medos.
Ultimamente, sinto que algo se passa. O G. está mais nervoso, mais agitado.
Ontem, fui falar com a directora de turma. Precisava saber se estes sinais de perturbação acontecem apenas em casa ou também na escola. Saí de lá mais apreensiva.
O G. está mais agitado nas aulas, menos atento, mais "deixa andar".
Não tem aproveitado devidamente as aulas de apoio e, pela primeira vez desde que iniciou a medicação, ouvi queixas relativamente ao seu comportamento.
Não sei que pensar nem de que forma agir.
O G. tem a sorte de estar bem integrado numa boa turma. Tem colegas preocupados que o apoiam muito. Sei que não é vítima de bullying, não é gozado por ter dificuldades, e é bastante protegido pelos colegas.
Parece-me que o problema está essencialmente nele, na sua baixa auto-estima, no medo de falhar, de mostrar as dificuldades que sente, e no facto de se sentir diferente dos outros.
Estou convicta que algo mais se passa actualmente, algo o atormenta na escola mais do que o habitual, e descarrega em casa, à noite. Está mais agressivo, não faz nada à primeira, obedecer é uma utopia, responde a tudo e a todos e todas as tarefas diárias são um suplício.
Quando ouço notícias como estas, só posso mesmo ficar preocupada sobretudo depois de ouvir em várias ocasiões "mais vale morrer do que ser assim" da boca do meu menino...
Quando ouço notícias como estas, só posso mesmo questionar-me...
Onde falhei ou ainda, o que ainda não terei feito?

publicado por Abigai às 14:17

Setembro 14 2011

 

Amanhã é dia de apresentação a este novo ano lectivo.

Amanhã!

Mas hoje, ainda não eram 9h da manhã recebi um telefonema da directora de turma do G., a mesma do ano anterior. Uma chamada de preocupação - o que à partida agradou-me, pelo menos mostrou muito interesse na evolução do G., porque acabava de ser informada que este ano, a escola ainda não tinha autorização nem verbas, para a contratação da psicóloga educacional.

A professora queria saber se o G. tinha algum acompanhamento fora da escola ou, caso não tivesse, se podia tratar de encaminhá-lo para algum psicólogo uma vez que ele tanto precisa e a escola não o irá providenciar, pelo menos no primeiro período.

Ainda não há certezas quanto ao segundo periodo, poderá eventualmente haver contratações em Janeiro, mas por agora, confirma-se que a Dra. M. não estará presente para prestar apoio ao G. ou a qualquer outra criança.

Compreendo a preocupação da professora. O alerta dela foi bem intencionado e mostrou sem dúvida que está atenta e o interesse que tem pelos seus alunos. O G. não é o único menino da turma a beneficiar deste acompanhamento e não será o único prejudicado, o que irá também complicar a tarefa dos demais professores.

Como cheguei a referir aqui já tencionava proporcionar uma terapia mais adaptada às necessidades do G., em complemento ao acompanhamento da psicóloga da escola direccionado para a vertente educacional e de dificuldades de aprendizagem e compreensão.

 

Assim, já estava preparada para assumir um custo adicional, fora da escola.

E o que não fazemos pelos nossos filhos, não é?

Penso conseguir proporcionar ao G. este acompanhamento e se, por ventura, acontecer algum imprevisto financeiro, sei também que terei sempre alguém por perto para ajudar no que for necessário.

Felizmente tenho esta sorte. E os outros meninos cujas famílias não podem suportar estes encargos? O que vai ser deles?

Tenho agora preocupações acrescidas. Além de tentar ultrapassar as dificuldades emocionais do G., a psicóloga que irei contratar terá também que ajudar na parte educacional de desenvolvimento cognitivo.

Por outro lado, avizinham-se tempos iniciais difíceis porque, sempre que o G. se sentia diminuído, frágil ou simplesmente como peixe fora do aquário, recorria à Dra. M., que com muito carinho, compreensão e dedicação, conseguia ajudá-lo a reencontrar o caminho. Além disso, quando o G. não estava bem e não se abria connosco, a Dra. M. conseguia alcançá-lo.

Agora, sem ela por perto, vamos ver como irá correr!

publicado por Abigai às 14:14

Junho 22 2011

 

 

As crianças hiperactivas são frequentemente confundidas com crianças malcriadas. Falar demais, recusar-se a obedecer a ordens, distrair-se com a mínima coisa, apresentar desorganização e esquecer-se dos próprios objectos são sinais de alerta. Contudo, há que ter em atenção que, à semelhança dos adultos, cada criança é única e o seu desenvolvimento está intimamente relacionado com os estímulos que vai recebendo. Assim, por exemplo, se os pais forem pessoas agitadas, imaginativas, com dificuldade de se concentrar, os filhos têm grandes probabilidades de vir a ser como eles. Não obstante, nem sempre a agitação é sinal de patologia.

Estima-se que apenas uma pequeníssima percentagem dos pacientes que chegam aos consultórios necessitam de ajuda farmacológica. De qualquer forma, o diagnóstico, para ser credível, só é feito com base numa análise durante não menos de seis meses, sendo que os sintomas da criança hiperactiva aparecem no máximo até aos sete anos.

A hiperactividade designa um estado de irrequietude, excitação suprema e infelicidade constantes. A criança não consegue estar com atenção a nada por mais de uns minutos, trepa reiteradamente aos móveis, fala compulsivamente, está sempre a perder os seus pertences e lida muito mal com a frustração. Por outro lado, é-lhe difícil organizar tarefas, e descuida-as com frequência. Como não é capaz de se concentrar, escapam-lhe os pormenores e nem nas brincadeiras se centraliza. Parece não ouvir o que lhe dizem e mostra-se relutante em executar algo que pressuponha um grande esforço intelectual. Uma criança hiperactiva não suporta ter de esperar pela sua vez para jogar ou responder, interrompendo as conversas em que participa. Por isso, e não só, estas crianças são, amiúde, vistas como indiferentes ou egocêntricas, mas o que realmente se passa é que não aprenderam a interagir. Não se trata de uma aptidão inata, porém é possível ensiná-la e trabalhá-la.

A ignorância e a incompreensão face à doença, tornam-na, muitas vezes, um fardo enorme para quem dela sofre e para os mais próximos. E, no entanto, existem pequenos truques que podem melhorar muito a qualidade de vida de todos. As crianças hiperactivas precisam de algo que as faça lembrar o que a sua memória apaga, de repetições sem perder a paciência, de directrizes, de previsões, de limites, de organização. Não ter o quarto repleto de peluches, quadros ou uma infindável panóplia de brinquedos ajuda a criança a não se distrair tanto. Preferir copos e pratos de plástico e prescindir de bibelôs e jarrões de vidro ou louça reduz a irritação ante as consequências (cacos) que os problemas de coordenação motora destes miúdos aportam.

Paralelamente, o sucesso escolar é condicionado pelo lugar onde se sentam estes alunos tão especiais. As janelas e as últimas filas favorecem a desatenção.

Estabelecer regras e colocá-las por escrito, de modo a serem facilmente lidas e relidas, fará com que as crianças hiperactivas se sintam seguras, pois ficam a conhecer as expectativas relativamente a elas. Falar das directrizes que estão escritas e repeti-las colmata a necessidade que os indivíduos com hiperactividade têm de ouvir as coisas mais de uma vez. Convém ainda que as orientações sejam breves e específicas.

Olhar directamente nos olhos é uma acção passível de tirar um hiperactivo do seu devaneio, dar-lhe liberdade para efectuar uma pergunta ou, simplesmente, conferir-lhe uma secreta segurança.

Atribuir a estes pequenos tarefas muito grandes é contraproducente, já que lhes acomete uma sensação de abafamento e de incapacidade para as realizar. Deste modo, é útil dividi-las em subtarefas, suficientemente pequenas para serem cumpridas, de forma a prevenir uma resposta emocional negativa.

As crianças com hiperactividade deliram por novidades. Reagem ao que é novo com entusiasmo, pelo que a inovação constitui um bom auxílio para elas e para quem lida com elas.

Dado que convivem com o fracasso, carecem de tudo de positivo que se lhes puder consagrar. Sublinhar o fracasso é tudo o que elas não precisam. Pelo contrário, é o encorajamento que as faz crescer e são os elogios que as beneficiam. Sem isto, elas retrocedem e esmorecem. Efectivamente, o mais arrasador da hiperactividade não é, geralmente, a enfermidade em si, mas a perda da auto-estima.

Inventar rimas, códigos, dicas e similares pode estimular bastante a memória, aumentando o espaço disponível na mente.

Simplificar é a palavra de ordem no que toca a um hiperactivo: as instruções, as alternativas, a programação.

Palavras mais simples indiciam conteúdos mais simples e, portanto, mais assimiláveis. Uma linguagem de imagem entra melhor do que só palavras e prende mais a atenção, como acontece com as cores.

Dar feedbacks às crianças desenvolve nelas um espírito observador. Estes garotos não têm, geralmente, noção do que dizem ou fazem, a não ser que alguém os advirta para isso. Não têm consciência do seu comportamento. Chamá-los à razão de maneira carinhosa, e através de interpelações acerca dos factos, promove esta introspecção.

Um dos melhores tratamentos para a hiperactividade é o exercício físico, de preferência pesado. A ginástica coadjuva a libertação de energia, fomenta a focalização da atenção e acicata certas hormonas e neurónios. Em acréscimo, é divertido, o que garante a continuidade pela vida fora.

As crianças hiperactivas são imensamente mais hábeis e artísticas do que aparentam. Na verdade, estão cheias de criatividade, espontaneidade, alegria e bom humor. É só descobrir como aproveitar tudo isso…

 

Autor: Maria Bijóias

In Rua Direita

Imagem da Internet

 

publicado por Abigai às 14:19

Dezembro 27 2010

 

Há dias acabei de ler este livro Sinto Muito de Nuno Lobo Antunes.

Não vou falar do livro, confesso que me decepcionou um pouco, não que não o considere bom ou que não tenha gostado, mas tinha uma ideia diferente em relação a ele.

Contudo, encontrei pelo meio uma crónica que me chamou muito atenção intitulada No mundo das crianças a preguiça não existe.

Aplica-se a todas as crianças e não apenas às crianças hiperactivas. Tocou-me muito porque descreve muito o que sinto em relação ao G. e às dificuldades que ele enfrenta diariamente.

Por isso, transcrevo aqui esta crónica que na minha modesta opinião, deveria ser lida por todos os professores, educadores e também pais.

 

A Inês tem sete anos e é encantadora. No quadro branco pintou uma paisagem ingénua, por onde passeia a sua infância. Num traço hesitante surgiram montes e casas e, por cima, um sol que, por se sentir sozinho, pediu a umas nuvens que lhe fizessem companhia. Quando acabou, a artista interrogou-me sem palavras, pedindo aprovação para um desenho colorido com o brilho do olhar, a vivacidade da expressão e a facilidade do sorriso. Como se pode julgar o que é maior do que nós?

Não foi fácil entender o motivo da consulta. Dentro da sala de aula - explicava a mãe - a Inês sofre uma metamorfose ao revés. A borboleta esfusiante transforma-se num bichinho amedrontado, que se esconde atrás dos colegas, na esperança de não ser notado. Tudo o que tem a ver com a escola, mesmo o mais simples exercício, a leitura ou escrita de um monossílabo, assemelha-se a um difícil número de trapézio, donde antevê, como eminente, uma queda aparatosa, ponto de exclamação numa arena sem rede. No entanto, mal toca a campainha para o «recreio», está de volta a alegria de viver que enche de cor, o nada de um quadro branco. Pouco a pouco, a Inês deixou de acreditar que era capaz e, na certeza da sua incompetência, sentiu-se culpada e má, menina que não presta, para quem as letras e os números têm segredos indecifráveis, enigmas que os colegas resolvem na ligeireza de um «abre-te Sésamo», tesouros que lhe estão vedados. Porém, estou certo que lê, como ninguém, a inquietação, (e angústia), que o olhar da mãe não consegue disfarçar.

Todos os meses percorro as escolas do país, levando um Evangelho de ideias simples, princípios em que acredito. As crianças nascem para ser felizes. O seu cérebro tem um potencial fantástico de curiosidade, espanto, encantamento pela descoberta. Até à entrada na escola, isto é evidente para todos os pais, que inevitavelmente se apaixonam por aquele brilhozinho nos olhos, o riso sem disfarce, a alegria sem nuvens. O dito inesperado, a observação certeira, a coerência com o universo. Porém, à entrada na escola, para muitos, tudo se transforma. De repente, o mundo mudou. O afecto ou o sorriso dos adultos parece depender da facilidade com que se resolvem novos quebra-cabeças, que envolvem gatafunhos a que os «crescidos» chamam letras e números. Se, para alguns, a navegação dessas águas é fácil e fonte de encorajamento e satisfação, para outros, é um cabo das Tormentas, sem Boa Esperança à vista. As crianças entristecem, prisioneiras de um aquário onde muitos olhos observam os seus resultados, realizações, derrotas. A autoconfiança esvai-se lentamente, a ida para a escola torna-se uma punição. As outras crianças, muitas vezes imitando os adultos, fazem troça de uma resposta errada, de uma leitura hesitante, de um ditado com erros, que é exibido, como edital, perante a turma. És preguiçoso - dizem uns - és um distraído - dizem outros. A insinuação da inferioridade vai-se tornando progressivamente mais clara, até atingir, por vezes, a afirmação pura e simples de que se é «burro». Em casa, tentando ajudar, a mãe senta-se com o seu filho, durante horas intermináveis, na realização dos trabalhos de casa. Tempo de frustração intensa, que muitas vezes acaba com lágrimas de uns e de outros. O mundo, para a criança, tornou-se hostil. Para os pais a perplexidade: como explicar que aquela criança tão «viva» e «esperta», se mostre incompetente quando posta à prova no mundo das letras e dos números. Como explicar que o que parece ter aprendido hoje, seja de pronto esquecido amanhã? Porquê hoje responder bem às questões colocadas em casa, mas chegado o dia do teste, tudo pareça ter-se dissolvido num mar de ignorância. Como explicar o contraste entre a dificuldade de concentração nas aulas e as horas esquecidas em frente a um jogo de computador, numa vigilância de sentinela? E o «click» de que os amigos falam e não chega? E a imaturidade que a psicóloga diagnosticou e não mais se resolve? A explicação surge em regra responsabilizando a criança: é distraída, preguiçosa, desinteressada. O discurso não deixa dúvidas, a culpa é da criança: «Porque não pões os olhos na tua irmã? Porque não és como o teu colega Luís? Sabes os sacrifícios que os pais fazem para te educar... porque não lhes dás essa alegria?» E a criança esforça-se mais uma vez, e mais uma vez falha, até à conclusão inevitável: não presta! E se não presta e não é capaz, porquê tentar? Algumas descobrem a saída que os poderá tornar populares: ser o «palhaço» da aula, o mais aventureiro, o que desafia a autoridade. Na infância e na adolescência...

O meu credo é simples:

- Não existem crianças preguiçosas, mas sim crianças cansadas do insucesso.

- O insucesso cria um círculo vicioso que gera mais insucesso, descrença, frustração.

- Os bons resultados, pelo contrário, aumentam a motivação, a confiança, o êxito.

- As crianças não acordam de manhã com intenção de falhar, errar, criar angústia em pais e professores. Se isso acontece, é porque a vida escolar nada lhes trouxe que as faça felizes ou confiantes.

A minha ideia mais simples, e porventura a mais importante, é que no mundo das crianças a preguiça não existe.

 

Revejo nestas palavras o percurso do meu G. Tem encontrado professores interessados mas infelizmente nem todos o são e com alguma frequência, são necessárias reuniões com a directora de turma para minimizar os problemas.

As dificuldades de comunicação com a professora de Inglês geraram muitos problemas para o G. que até febre fazia nos dias em que tinha essa aula. Não sei se por ter havido muitas queixas relativamente à disciplina, se por coincidência, mas o primeiro teste foi extremamente fácil e praticamente uma cópia do manual escolar, o que permitiu ao G. ter um "Bom". Levantou-lhe a auto-estima e pôs por enquanto um ponto final às noites mal dormidas, às febres e aos pesadelos, mas será que não vai voltar ao mesmo quando a poeira assentar?

 

 

publicado por Abigai às 21:03

Novembro 05 2010

 

Educar é difícil.

Educar quando os filhos passam mais tempo fora de casa é mais difícil ainda.

Com os pais a trabalhar durante o dia, as crianças passam a maior parte do tempo com outros educadores ou crianças e, sob a influência e/ou exemplo destes torna-se complicado encontrar um ponto de equilíbrio, evitar conflitos de ideias e até mesmo incutir valores.

Fui educada num país onde a intolerância e o racismo são marcantes e, apesar de integrar-me perfeitamente e aparentemente não destoar, sempre senti orgulho em afirmar-me portuguesa, o que, em algumas ocasiões, trouxe-me alguns dissabores.

Não fui vítima de racismo mas senti por diversas ocasiões o que é ser alvo de preconceito e intolerância. Existe uma tendência em generalizar o que se vê em determinado grupo ou nacionalidade. Lembro-me de, em conversas com colegas de escola sobre profissões, ver daqueles sorrisos trocistas que, julgando saber responder a tudo, diziam ah… deve ser trolha o teu pai, não? Nessas alturas, dava-me um prazer indescritível mostrar os brincos que usava ou os anéis ou as pulseiras e dizer não… o meu pai é ourives, foi ele que fez estas jóias, gostam? E anos mais tarde, quando o meu pai foi condecorado com a medalha de honra do trabalho, o gozo foi maior ainda.

Por isso e muito mais ainda, tento a todo o custo incutir valores ao G. que para mim são importantíssimos: tolerância, respeito, compreensão, aceitação, indulgência, etc.

Fiquei satisfeita por saber que tinha crianças deficientes na turma dele, a convivência com realidades diferentes, com dificuldades diferentes, haveria de ajudar a entender o que é aceitar, compreender e respeitar da mesma maneira, quer se seja branco, preto, baixo, alto, gordo, magro, portador de deficiência ou não. Pelo menos assim pensava…

Quanto mais o G. cresce, mais dificuldades sinto. Conheço a maioria das mães dos colegas dele, embora pouco conviva com elas. Não aparentam ser intolerantes ou preconceituosas nem tão pouco elitistas. A verdade é que ultimamente, o G. tem tido algumas conversas para mim irritantes sobre os colegas deficientes e, inevitavelmente, pergunto-me de onde virão tais influências. Da minha parte, estou convicta que não.

Dos colegas não sei. Mas se é dos colegas, não deveriam os pais destes ensiná-los a serem compreensivos com quem tem certas e determinadas dificuldades mas que não deixam de ser crianças como eles, com direitos e deveres, com necessidades de convívio, de carinhos, de atenção. E quem fala de deficientes, fala de outras etnias, nacionalidades, crenças, etc…

O G. é hiperactivo. Tem dificuldades de aprendizagem e é bastante imaturo para a idade. Mais do ninguém deveria entender que não se pode discriminar. Sei que ainda é muito novo, que é difícil para ele colocar-se no lugar do outro, que é complicado fazer o paralelismo com a situação dele e com experiências que tem vivido, também elas de discriminação, mas, para mim, esta semana tem sido esgotante.

Não é esta a educação que lhe dou, não são estes os valores que quero para ele.

Pela falta de maturidade que tem, tem tendência em repetir os argumentos dos colegas, sei que nem tudo vem da sua cabeça, mas, será que de tanto ouvir dizer que os colegas deficientes são chatos, só fazem asneiras e não deixam estudar, não se calam e só sabem dizer palavrões e se calhar era melhor nem estarem aqui, não acabará por pensar assim mesmo?

Será que o pouco tempo que passa em casa como os pais é suficiente para aceitar as diferenças e ser tolerante e respeitador?

 

 

Imagem tirada da internet

publicado por Abigai às 22:55

Porque foi a primeira palavra do meu filho, e de nada querer dizer, diz-me muito...
mais sobre mim
Março 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
21
22
23

24
25
26
27
29
30

31


Visitas
pesquisar
 
Facebook
Portal dos Sites
blogs SAPO