Abigai

Outubro 23 2010

Ao ler o comentário do post anterior, percebi que não fui de forma alguma explícita ao publicá-lo.

 

Independentemente do conteúdo deste texto, ao lê-lo pela primeira vez, senti uma alegria e um orgulho tal, que não resisti em publicá-lo.

Retrata o derradeiro momento, imediatamente antes de um acto desesperado como é o suicídio, na perspectiva de uma lágrima.

É verdade que o conteúdo em si é triste, é verdade que a simples imagem do acto é desesperante, desmotivante, sim. Mas, na minha opinião, está muito bem escrito, e, não fosse o título, talvez fosse melhor interpretado.

 

Quando vejo um hiperactivo que muito sofreu na sua infância, tal o meu G., com imensas dificuldades de aprendizagem, escrever assim, já adulto, não consigo conter a minha alegria. Só me pode trazer esperança de um dia ver também o meu G. realizado e feliz.

Há 30 anos, a hiperactividade não era diagnosticada. Há 30 anos, um hiperactivo era tido como mal-educado, irrequieto e até mesmo "burro".

Há 30 anos, ser hiperactivo era uma sentença difícil e conduzia muitas vezes ao abandono escolar.

Hoje, este hiperactivo é capaz de escrever de forma agradável, com metáforas e imagens alusivas ao que pretende descrever, de forma harmoniosa.

Ao ler este texto, e, apesar da imagem que nos assola a mente, senti uma luz lá bem ao fundo, uma certeza que, seja qual for o rumo que o G. tomar, poderá ser tão realizado e feliz como qualquer outra criança.

 

Este texto não constituí para mim tristeza, pelo contrário, representa uma esperança maior, e como gostava de escrever assim...

 

 

publicado por Abigai às 10:44

Janeiro 29 2010

Quando há pouco mais de três meses questionava aqui a minha capacidade em manter um blog e apostava em participar essencialmente no Clube de leitura, não podia, aparentemente, estar mais enganada.

A minha participação tem sido limitada.

Não por falta de leitura porque sem livros sentir-me-ia completamente desamparada.

Sinto-me sem assunto para escrever e este post é bem prova disto, de nada falo apenas divago.

Sem assunto ou sem vontade.

A minha situação profissional neste momento, está um caos, passo o dia a nada fazer, sem serviço, sem perspectivas, sem qualquer motivação.

Motivação. É disso que sinto falta, motivação para ser!

Ainda hoje, ou ler este post senti necessidade de comentar. Comentei? Não.

Porquê? Não faço ideia, ainda comecei a escrever, mas faltaram-me as palavras.

Estou a tentar escrever este post e as palavras fogem, pareço ter perdido a minha capacidade de escrita, os pensamentos atropelam-se, as ideias confundem-se.

Talvez mais tarde...

Talvez....

 

publicado por Abigai às 18:29

Porque foi a primeira palavra do meu filho, e de nada querer dizer, diz-me muito...
mais sobre mim
Março 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
21
22
23

24
25
26
27
29
30

31


Posts mais comentados
2 comentários
Visitas
pesquisar
 
Facebook
Portal dos Sites
blogs SAPO