Abigai

Outubro 18 2010

Ouço os teus pensamentos tenebrosos, que te inquietam o coração, marcados por um sofrimento atroz de uma saudade infindável.

As tuas mãos quentes e macias tais pétalas de rosas aveludadas, acariciam-me docemente como uma brisa em fim de tarde.

Olho para ti.

O medo apoderou-se da tua alma com a força de um furacão, deixando as tuas mãos tremulas cobrirem-te o rosto.

E eu, corro por entre os dedos numa corrida desenfreada pela face de um vale embranquecido, e parto do teu azul celeste sem olhar para trás.

O som de um trovão vindo do céu e o clarão de um raio fulminante ecoam no vale, iluminando o teu corpo. À nossa volta, numa viajem alucinante, o céu e a terra, salpicados por um vermelho intenso, rodopiam freneticamente, parecendo não ter fim.

Já na tua mão, deslizo suavemente por entre os dedos, e, olhando-te nos olhos, vejo-te partir.

O teu olhar, agora despojado do brilho azul celeste, fecha-se lentamente como uma flor ao entardecer.

O sol  cobre-se de negro e, desaparecendo no horizonte, deixa um silêncio profundo de morte e uma tristeza penetrante.

Sou o teu grito de dor devastado pela fatalidade, a tua ultima lágrima.

 

Publicado com autorização do autor: Miguel Alves

 

 

publicado por Abigai às 20:51

Porque foi a primeira palavra do meu filho, e de nada querer dizer, diz-me muito...
mais sobre mim
Março 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
21
22
23

24
25
26
27
29
30

31


posts recentes

O suicídio

Posts mais comentados
4 comentários
Visitas
pesquisar
 
Facebook
Portal dos Sites
blogs SAPO