Abigai

Junho 22 2011

 

 

As crianças hiperactivas são frequentemente confundidas com crianças malcriadas. Falar demais, recusar-se a obedecer a ordens, distrair-se com a mínima coisa, apresentar desorganização e esquecer-se dos próprios objectos são sinais de alerta. Contudo, há que ter em atenção que, à semelhança dos adultos, cada criança é única e o seu desenvolvimento está intimamente relacionado com os estímulos que vai recebendo. Assim, por exemplo, se os pais forem pessoas agitadas, imaginativas, com dificuldade de se concentrar, os filhos têm grandes probabilidades de vir a ser como eles. Não obstante, nem sempre a agitação é sinal de patologia.

Estima-se que apenas uma pequeníssima percentagem dos pacientes que chegam aos consultórios necessitam de ajuda farmacológica. De qualquer forma, o diagnóstico, para ser credível, só é feito com base numa análise durante não menos de seis meses, sendo que os sintomas da criança hiperactiva aparecem no máximo até aos sete anos.

A hiperactividade designa um estado de irrequietude, excitação suprema e infelicidade constantes. A criança não consegue estar com atenção a nada por mais de uns minutos, trepa reiteradamente aos móveis, fala compulsivamente, está sempre a perder os seus pertences e lida muito mal com a frustração. Por outro lado, é-lhe difícil organizar tarefas, e descuida-as com frequência. Como não é capaz de se concentrar, escapam-lhe os pormenores e nem nas brincadeiras se centraliza. Parece não ouvir o que lhe dizem e mostra-se relutante em executar algo que pressuponha um grande esforço intelectual. Uma criança hiperactiva não suporta ter de esperar pela sua vez para jogar ou responder, interrompendo as conversas em que participa. Por isso, e não só, estas crianças são, amiúde, vistas como indiferentes ou egocêntricas, mas o que realmente se passa é que não aprenderam a interagir. Não se trata de uma aptidão inata, porém é possível ensiná-la e trabalhá-la.

A ignorância e a incompreensão face à doença, tornam-na, muitas vezes, um fardo enorme para quem dela sofre e para os mais próximos. E, no entanto, existem pequenos truques que podem melhorar muito a qualidade de vida de todos. As crianças hiperactivas precisam de algo que as faça lembrar o que a sua memória apaga, de repetições sem perder a paciência, de directrizes, de previsões, de limites, de organização. Não ter o quarto repleto de peluches, quadros ou uma infindável panóplia de brinquedos ajuda a criança a não se distrair tanto. Preferir copos e pratos de plástico e prescindir de bibelôs e jarrões de vidro ou louça reduz a irritação ante as consequências (cacos) que os problemas de coordenação motora destes miúdos aportam.

Paralelamente, o sucesso escolar é condicionado pelo lugar onde se sentam estes alunos tão especiais. As janelas e as últimas filas favorecem a desatenção.

Estabelecer regras e colocá-las por escrito, de modo a serem facilmente lidas e relidas, fará com que as crianças hiperactivas se sintam seguras, pois ficam a conhecer as expectativas relativamente a elas. Falar das directrizes que estão escritas e repeti-las colmata a necessidade que os indivíduos com hiperactividade têm de ouvir as coisas mais de uma vez. Convém ainda que as orientações sejam breves e específicas.

Olhar directamente nos olhos é uma acção passível de tirar um hiperactivo do seu devaneio, dar-lhe liberdade para efectuar uma pergunta ou, simplesmente, conferir-lhe uma secreta segurança.

Atribuir a estes pequenos tarefas muito grandes é contraproducente, já que lhes acomete uma sensação de abafamento e de incapacidade para as realizar. Deste modo, é útil dividi-las em subtarefas, suficientemente pequenas para serem cumpridas, de forma a prevenir uma resposta emocional negativa.

As crianças com hiperactividade deliram por novidades. Reagem ao que é novo com entusiasmo, pelo que a inovação constitui um bom auxílio para elas e para quem lida com elas.

Dado que convivem com o fracasso, carecem de tudo de positivo que se lhes puder consagrar. Sublinhar o fracasso é tudo o que elas não precisam. Pelo contrário, é o encorajamento que as faz crescer e são os elogios que as beneficiam. Sem isto, elas retrocedem e esmorecem. Efectivamente, o mais arrasador da hiperactividade não é, geralmente, a enfermidade em si, mas a perda da auto-estima.

Inventar rimas, códigos, dicas e similares pode estimular bastante a memória, aumentando o espaço disponível na mente.

Simplificar é a palavra de ordem no que toca a um hiperactivo: as instruções, as alternativas, a programação.

Palavras mais simples indiciam conteúdos mais simples e, portanto, mais assimiláveis. Uma linguagem de imagem entra melhor do que só palavras e prende mais a atenção, como acontece com as cores.

Dar feedbacks às crianças desenvolve nelas um espírito observador. Estes garotos não têm, geralmente, noção do que dizem ou fazem, a não ser que alguém os advirta para isso. Não têm consciência do seu comportamento. Chamá-los à razão de maneira carinhosa, e através de interpelações acerca dos factos, promove esta introspecção.

Um dos melhores tratamentos para a hiperactividade é o exercício físico, de preferência pesado. A ginástica coadjuva a libertação de energia, fomenta a focalização da atenção e acicata certas hormonas e neurónios. Em acréscimo, é divertido, o que garante a continuidade pela vida fora.

As crianças hiperactivas são imensamente mais hábeis e artísticas do que aparentam. Na verdade, estão cheias de criatividade, espontaneidade, alegria e bom humor. É só descobrir como aproveitar tudo isso…

 

Autor: Maria Bijóias

In Rua Direita

Imagem da Internet

 

publicado por Abigai às 14:19

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Porque foi a primeira palavra do meu filho, e de nada querer dizer, diz-me muito...
mais sobre mim
Junho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
21
23
24
25

26
27
28
29
30


Posts mais comentados
pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO